Qualidade não é “só testes”

Quando falamos em qualidade não estamos apenas falando de testes. Os testes são apenas uma parte da garantia da qualidade do sistema. Os resultados dos testes nos ajudam a entender se o sistema está de acordo com o esperado a nível funcional e não funcional, dando um panorama em relação à qualidade do sistema.

Qualidade é o grau de utilidade esperado ou adquirido de qualquer coisa, verificável através da forma, dos elementos que a constituem e pelo resultado do seu uso.

Em engenharia de software aprendemos que existem diversas etapas para o desenvolvimento de soluções. Existem diferentes abordagens, com etapas definidas, checklists, sejam estas tradicionais ou iterativas e incrementais. Independente da metodologia, é importante entender que a qualidade deve ser algo inerente a todas as etapas do processo.

No modelo Cascata / Waterfall temos uma etapa dedicada para testes. Porém, nas demais etapas também existem atividades que podem ser realizadas como parte da garantia da qualidade do sistema. Podemos ilustrar isto com o modelo V:

 

modelo-v

Modelo V

No modelo Incremental podemos seguir a mesma abordagem do Cascata, a cada incremento do sistema. E do modelo Incremental, podemos avançar para as metodologias ágeis como ScrumExtremme Programming SAFe. 

Scrum é uma metodologia ágil que auxilia equipes a seguirem e terem cadência em processos de trabalho, entregando e melhorando continuamente a cada entrega e iteração. Comunicação efetiva, visão de produto, definição de pronto, revisões e retrospectivas para entender o que pode ser melhorado para as próximas entregas. Para cada história de usuário ou funcionalidade, são definidas em conjunto com cliente e desenvolvimento quais são as regras de negócio, o que se espera e como isso será validado.

Extremme Programming  é mais voltado para a forma como o software está sendo construído. Todas as práticas do XP para desenvolvimento de software possuem foco na qualidade de entrega, como Programação em Par, Entregas curtas, Design simples, Integração contínua além de Testes de Aceitação e Desenvolvimento Orientado a Testes (TDD).

praticasxp

Práticas do Extreme Programming

O Lean possui uma base sólida na eliminação de desperdícios no processo. Podemos considerar trabalhar com entregas enxutas mas funcionais e que atendem a necessidade do cliente. Os 7 desperdícios do Lean podem ser um norte a ser seguido para elevar a qualidade do processo, evitando uma visão turva sobre o que e em que etapa devemos garantir a qualidade.

 

Como vimos, existem diferentes abordagens para desenvolvimento de software e, em cada uma destas temos diversas práticas que visam a garantia de qualidade tanto no software, quanto no processo e mindsets. É importante destacar que as metologias acima são complementares, e que podemos mesclar abordagens e metodologias para elevar o nível de qualidade das entregas.

Com isto, podemos concluir que qualidade não é só testes, mas sim um atributo que envolve software, processo e todas as etapas e partes relacionadas a entrega de produtos. Deve ser inerente a metodologia e práticas que estão sendo adotadas, e para isso é possível mesclar abordagens e técnicas de diferentes origens e metodologias visando a garantia da qualidade.

 

E você, qual a sua visão sobre qualidade?

 

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s